Tuesday, January 17, 2017

Portal Martim Moniz - Cursos de Mandarim

O Portal Martim Moniz é uma plataforma de referência para a comunidade chinesa, constituindo um suporte digital bilingue e multidisciplinar, promotor do intercâmbio cultural, informativo e comercial entre Portugal e China.
Somos uma dinâmica equipa multidisciplinar, assentando a nossa posição no respeito pelas diferenças culturais dentro e fora do grupo, estando sediados em Portugal.
O Centro de Língua Chinesa do Portal Martim Moniz, tal como o próprio nome indica, é um centro de línguas direcionado para o ensino do mandarim, mas oferece também cursos de português a alunos chineses. Possuímos ainda nas instalações da escola um centro de tradução. Somos certificados pela DGERT.
A nossa oferta formativa compreende cursos de mandarim em todos os níveis de aquisição linguística (A1 a C1). Para além dos cursos geraisde língua cultura de mandarim, a nossa oferta formativa inclui cursos temáticos como Chinês Empresarial e Chinês para Hotelaria e Turismo. Em anexo envio um documento com a descrição dos nossos cursos.
Temos um curso de mandarim que inclui uma viagem à China.

Para mais informações:


Friday, January 27, 2012

Thursday, January 5, 2012

O Sono Extenso - A poesia no seu melhor



"Para quem gosta de arte e sobretudo de boa poesia, é obrigatório ler o recente prémio João da Silva Correia, atribuído pela Câmara Municipal de S. João da Madeira, a Sara F. Costa.
Em O Sono Extenso (Âncora Editora), estamos perante a confirmação de uma poeta que já se havia revelado na Melancolia das Mãos (Pé de Página Editores, 2003 – prémio literário da Lousã) e afirmado em Uma Devastação Inteligente (Atelier Editorial) – obra que, em 2007, inaugurou o prémio literário João da Silva Correia, agora, pela segunda vez, arrecadado pela autora.
A crítica têm-na apontado como dotada de uma invulgar maturidade e mestria nas palavras. Jorge Listopad, em 2007, no Jornal de Letras, afirmou: “Sara, na minha imaginação, parece a Agustina na sua idade, sabendo já o que quer!”; Jorge Reis-Sá, no “Magazine Artes” questiona “…quantos poetas puderam assegurar o manejo das formas como Sara Costa o faz já?”e Lauro António, no seu blogue, sublinha que “Não é todos os dias que se descobre um talento a despontar com a força amadurecida de quem domina as palavras…”
Tudo o que possa ser dito sobre a poesia de Sara F Costa são apenas balbuciamentos face ao brutal poder demiúrgico que arranca das palavras. Ao ler o Sono Extenso ganhamos a surpresa de participar no momento da criação, onde tudo é início. A autora transporta-nos ao estado de imersão na realidade onde tudo é possível, porque tudo é dito pela primeira vez. Os seus versos vão-nos despindo de preconceitos e, nus, atiram-nos para o risco absoluto de quem acorda do sono – extenso manto opaco que nos preenche toda a vida – de quem abre os olhos e se vê em plena viagem, no lado oculto mas perigosamente familiar da existência. “e é nas fugas que nos reconhecemos/ e que nos rescrevemos: fugir integrou parte da nossa postura no mundo./ no interior das veias/ possuímos caos em vez de sangue.”(p30)
Este romper da extensão do sono não é a sua negação, nem sequer uma descoberta – só se descobre o que já existia – é a nova gestação do lugar onde eu e o mundo estamos mais próximos. Contudo – “o que é não estar aqui, se quando cá não estou não me conheço?”(p43) – o sono continua… “porque cada um dos meus pecados ilumina uma parte do mundo/ e eu não quero que me falhe a luz.”(p48)
Enquanto Uma Devastação Inteligente denota a influência do maior poeta vivo de língua portuguesa – Herberto Helder – em O Sono Extenso, a autora ganha autonomia sem nada perder da fecunda radicalidade poética do mestre. Com inesgotável imaginação, absoluta originalidade e maturidade de estilo, escorreito, contundente, perturbador, atinge o nível do que há de melhor na poesia em língua portuguesa. A própria linguagem é interpelada e abalada nas seguranças que habitualmente nos confortam:

“há em toda a linguagem um excesso
que nos escorre dos ombros
quando os nossos nervos reflectem a nossa inocência
e um brilho sonolento nos separa dos sons.
mantemos nas mãos todos os crimes
e na superfície das palavras deixamos um fogo salgado
a carbonizar o tempo”(p12)

Sara Costa liberta a palavra, transformando-a em golpes de revolta “Numa fala ensanguentada com a qual construímos todos os muros que/ circundam a nossa língua/ E que nos deixam sempre do lado de lá.”(p80)
A autora assume-se mulher em toda a sua real condição, vivendo intensamente neste mundo, aqui e agora. A ironia e o humor acompanham uma sensualidade, uma sensorialidade e um sentimento tão vibrantes como cruéis (vide, por exemplo, o poema 15 cm, pp76-78). A acutilante crítica social e existencial não nos oferece qualquer tábua de salvação mais ou menos intelectual; bem pelo contrário, acorda-nos para a mundividência de uma geração indomável, que nos mostra o poder de voltar ao início de tudo, ao avesso de qualquer coisa e assim reconstruir-se.
Se valorizamos os textos dos escritores que deram voz ao espírito de cada época e se nos questionarmos sobre a atualidade, temos sim aqui um caso sério desta coisa em que vivemos e da identidade de uma geração. Mais ainda: irrompendo pela sua irrepetível existência, a autora arrasta-nos consigo pelo âmago da Humanidade afora, numa desvairada viagem sem portos de abrigo, nem de retorno.
O Sono Extenso não é só um livro com 73 poemas. É um livro em que a leitura de cada poema nos incomoda, também pela potencial perda de todos os outros que ainda não lemos. Nada é previsível, tudo é surpresa, quando se rompe o extenso sono em que sempre vivemos.
Sara F. Costa é uma escritora genial e, com toda a certeza, iremos ouvir muito sobre esta mulher."

Josias Gil, O Regional

Wednesday, November 2, 2011

Sara F. Costa



O Município de S. João da Madeira promove o Prémio Literário João da Silva Correia, grande escritor sanjoanense, pretendendo não só distinguir este importante nome da cultura, como também promover e consolidar hábitos de leitura e de escrita criativa, através de uma iniciativa que estimule e incentive o aparecimento de novos valores. Em 2011, a escolha recaiu sobre a obra O Sono Extenso, de Sara F. Costa. A cada verso, o leitor mergulha, em pleno e sem retorno, na surpresa de uma desvairada criação de existências vivas, intensas e de uma desconcertante actualidade. A palavra é injectada de uma força original interpelante e perturbadora, única e exclusiva da poesia.

Sara F. Costa é natural de Oliveira de Azeméis, tendo atravessado o seu percurso escolar até ao ensino secundário em S. João da Madeira. Autora dos livros de poesia A melancolia das mãos e Uma devastação inteligente, já foi premiada em vários certames literários nacionais e tem poemas publicados em diversas revistas literárias. Esta é a segunda vez que recebe o Prémio Literário João da Silva Correia. É licenciada em Línguas e Culturas Orientais e mestre em Estudos Interculturais: Português/Chinês pela Universidade do Minho. Actualmente é professora assistente no Instituto Politécnico de Leiria.

Saturday, February 12, 2011

Tuesday, January 11, 2011


Ítaca é uma revista fundada no decurso de 2009, por três investigadores do Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: André Simões, J. P. Moreira e Tatiana Faia. A revista compõe-se, de um modo geral, de cinco secções: ensaio, tradução, fotografia, poesia e prosa breve. A sua publicação, a cargo da editora Coisas de Ler, é semestral.


Monday, July 28, 2008

nós

nós permanecemos com as mãos pousadas
sobre a terra
e a terra habita-nos dentro das mãos.
contemplamos o voo a dissolver-se
nas rugas do mar,
desfiamos a violência dos erros
e paramos de falar quando alguém passa
porque temos a boca suja
com segredos menstruados.

in Uma Devastação Inteligente

Saturday, April 26, 2008

em relação à revista Criatura

Além de ser possível encomendar a revista por e-mail (revista.criatura@gmail.com)

ou Livraria Letra Livre

e fica aqui a lista das livrarias onde a revista já está à venda:

Lisboa

Alexandria (Bairro Alto)
Apolo Lda (C. C. Apolo)
Assírio & Alvim (R. Passos Manuel)
Barata (Av. Roma)
Book House (Saldanha)
Buchholz (R. Duque de Palmela)
Bulhosa (Entre Campos)
Bulhosa (Galerias Twin Towers)
Editorial Escola (Caleidoscópio, Jardim do Campo Grande)
Letra Livre (Calçada do Combro)
Ler Devagar (Bairro Alto)
Multinova (Av. St Joana Princ)
O Paço
Pó dos Livros (Av. Marquês de Tomar)
Portugal (Chiado)
Sá da Costa (Chiado)
Trama (R. São Filipe Nery)

Porto

Poetria (C. C. Galerias Lumière)
maria vai com as outras (http://maria-vai-com-as-outras.blogspot.com/)

Friday, April 4, 2008

Lançamento da Revista "Criatura"

Fábrica Braço de Prata

Rua Fernando Palha 26 - Lisboa

1950-131 LISBOA

18 de Abril (alteração) 21h

Apresentação por Núno Júdice

+mais informações

Thursday, March 27, 2008

o som

o som dos espelhos
alaga as ruas
que se arrastam pelo corpo
entre o suor ácido das formas.
chove
e vejo a língua do relógio
misturar-se com a lama.
a cidade arde
e a minha ressaca
é uma lareira
a pingar pelos dedos.


in Uma Devastação Inteligente

Saturday, March 22, 2008

Friday, March 7, 2008

Mesa redonda de escritores na rádio universitária

A RUM vai passar o colóquio sobre a Língua Materna.
Ana Rocha, Sara Costa, Henrique Barroso e Jorge Pimenta à conversa sobre as suas actividades literárias com a moderação da Dra. Micaela Ramon.
Domingo à tarde, vão poder ouvir as intervenções dos escritores convidados a participar na mesa redonda aqui.

Thursday, February 28, 2008

Tuesday, February 26, 2008

[arquivo] Nas entranhas do mar

Vídeo paupérrimo, declamação fantástica por Isabel Marques e Fernando Guerreiro; 15 de Setembro, 2007. Albano Almeida na viola. Salão Nobre, Câmara Municipal, Setúbal.

Sunday, February 24, 2008

[arquivo] A Melancolia das Mãos

Lançamento de "A Melancolia das Mãos e outros rasgos" Lousã; 2004.

Sinopse: A melancolia das mãos é o trabalho premiado no Concurso Literário da Serra da Lousã, promovido pela Associação Arte Via e é ele que dá origem à edição deste livro. Sara convida-nos assim a invadir o seu universo interior, propondo-nos, simultaneamente, que nos redescubramos a nós próprios.

Sara Costa , Pedro Mexia no Lançamento do Livro "A Melancolia das Mãos" (Salão Nobre, Câmara Municipal, Serra da Lousã)

Thursday, February 21, 2008

Dia Internacional da Língua Materna

Universidade do Minho
Complexo Pedagógico II, Campus de Gualtar, Braga,
quinta-feira, 21-02-2008


O Departamento de Estudos Portugueses promoveu a comemoração da língua materna na Universidade do Minho. Foi intuito do programa chamar a atenção para percursos profissionais cuja base está assente na formação em língua, literatura e cultura nacionais e lusófonas. Assim se acolheram escritores, profissionais de relações públicas e directores de biblioteca, nomeadamente, em debate aberto aos alunos mais novos.
Também se partilharam conhecimentos e emoções suscitada pela leitura de textos dos autores presentes.

15.00h - Mesa-redonda subordinada ao tema: «Encontro com Escritores».

Painel de Convidados:

- Jorge Pimenta, autor de A-Simetria das Formas: o Espelho e o Reflexo

- Catarina Rocha, autora de Anáfora

- Henrique Barroso, autor de Pondras de Pedras Soltas

- Sara F. Costa, autora de Uma Devastação Inteligente

Photobucket

Friday, November 23, 2007

comUM on-line

Entrevista no Comum-online da Universidade do Minho.

Monday, October 15, 2007

Prémio Literário Hernâni Cidade

Sara F. Costa vence o prémio literário de crónica Hernâni Cidade na modalidade Juventude!